quinta-feira, 30 de julho de 2009

PARTILHA DE TRIGUEIRINHO DE 18-07-2009




Estamos nas últimas oportunidades



1- RAMA ...Nome muito poderoso que pode ser usado nos momentos do resgate, como preparo para a Operação Resgate.

2 - Qual é o valor atual das Sagradas Escrituras?



R- A Bíblia é um livro muito manipulado. Há bíblias católicas, bíblias protestantes. A tradução, às vezes, não tem a ver com o original, os textos foram mudados. Há um conteúdo básico, válido, mas é preciso muita Luz e discernimento.

Hoje temos um sistema de contato já mais desenvolvido dentro de nós. Cada um pode fazer contato com planos superiores de forma muito mais desenvolvida do que antes. Se nos interessamos estar informados em como se conduzir nestes tempos, devemos primeiro procurar inspiração dentro de nós, porque é imprevisível quando estes sinais podem aparecer.

Com respeito ao tempo da Bíblia, no Oriente Médio, aquela região continua sendo um pólo muito importante para o planeta, mas isto se ergueu do plano físico para o plano etérico. Na própria Jerusalém, o que vem é de outros planos, nada é mais no plano físico. Temos que sair do plexo solar e subir para o Centro Cardíaco, para o Centro da Cabeça. E isto se faz com uma entrega, optando pelo que quer na vida, o que busca. Se são coisas da vida ou se é outra coisa. Se é outra coisa, inútil ficar aqui, inútil ficar no nível da própria personalidade.

Temos que tomar as últimas decisões porque estamos por muito pouco para a purificação global. Ainda está em tempo de a gente ter um certo impulso e de subir esse nível geral humano. 90% vai ser encaminhado para fora do universo. Quem conseguir ver isto, que não cuide de outra coisa que não seja sua posição interna, pois o plano físico, astral e mental estão destinados a uma profunda purificação. Os nossos Irmão Superiores há 21 anos nos avisam, e estamos nas últimas oportunidades.

De lá, do Monte Sinai, no plano etérico, vem uma informação de que Samana, Thaykhuma e a Nave Alfa estão, nestes dias, formando uma conjuntura para aperfeiçoar estes contatos com os que desejam ser resgatados. Ser resgatado não é um desejo infantil, é uma opção séria. Esta conjuntura está, neste momento, trabalhando para toda a humanidade, está buscando esclarecer, buscando iluminar, buscando responder a contatos internos nossos, avisando que o planeta precisa de Misericórdia e de Perdão. O planeta ultrapassou todos os limites dentro de sua liberdade e de seu livre-arbítrio. E agora existe realmente um processo, movido por Samana, Thaykhuma, a Nave Alfa, e tantas outras entidades, de buscar, no próprio centro da criação, um alívio para o processo final desta terra da superfície. Existe um apelo final para que haja um Perdão, para que haja uma Misericórdia, para as coisas serem as menos dolorosas e as menos desequilibradas possível.

Existe um convite para nós estarmos muito unidos em oração, na energia do Perdão e na energia da Misericórdia, porque o planeta está precisando muito disto.

Comunicação de Sarumah - Entidade que nos acompanha desde o princípio, fundou Figueira, e é a Entidade encarregada da Cidade de Figueira. Não é no plano físico, o que existe aqui é uma gota, mas nos planos internos (etéricos) e está dando sinais para nós. Os que estão coligados com o Resgate e com este trabalho que está sendo feito muito claramente há 21 anos, a nível planetário, estão convidados a no próximo 8 de agosto fazer uma sintonia especial sobre esse assunto. Há 21 anos atrás foi uma data muito especial para o planeta, e agora, em oito de agosto de 2009 é uma etapa superior da espiral. Muitos seres já estão sendo levados internamente, ou externamente, para outras órbitas, outros universos, mas os que estão aqui estão sendo avisados que esse
8 de agosto próximo é um momento muito importante. A energia vai agir com intensidade multiplicada, seja ajuda com forças positivas, ou negativas nos puxando para baixo. Daqui pra frente o tempo urge e não haverá mais 21 anos.

Sarumah convoca a nós, coligados, a viver em sintonia com a Cidade de Figueira, 24 horas. Entrar nesta consciência desta Cidade, que emerge do interior de Mirna Jad. Como vai acabar o plano físico, temos que nos coligar com algo mais profundo. A Hierarquia vai se afastar e nosso trabalho, nossa aspiração, nossa sintonia deve ser com esses planos internos. E no plano físico vamos cumprindo nossa tarefa até quando seja possível. E estamos sendo indicados que um lugar na consciência, no espaço, onde este trabalho continua sem interrupção, é na Cidade de Figueira, que já existe há muito tempo e esta aí, no Plano Etérico, aberta, para aqueles que estiverem sintonizados.

Sarumah dia que esta Cidade está tão visível para os que devem ir para lá, no plano etérico. Está tão visível que Eles cuidam para ela não ser vista por quem se aproximar, para não se aproximarem forças contrárias. “Providenciaremos para que muitos que por aí passarem, por esta Figueira, não percebam a presença física desta Cidade no plano etérico, que junto com Aurora alimenta os demais Retiros e Centros Planetários.” Nós já sabemos dos retiros e dos centros planetários, e chegou o momento de vivermos todas essas coisas. Neste momento está nos sendo dado como tarefa manter contato com esta Cidade e fortificar a ligação com esta Cidade.

Mantenham-se unidos a Miz Tli Tlan pois lá está sediado o 2º Raio, do Amor-Sabedoria, no planeta. Independente de qualquer contato, a presença de Miz Tli Tlan é fundamental porque representa, hoje, a ancoragem do 2º raio, do Amor-Sabedoria. E é o 2º Raio que está encarregado de desenhar no nosso consciente tudo aquilo que nossa consciência deve receber e absorver nestes momentos. E é o 2º Raio que vai emitir impulsos sobre nós para permitir nos coligarmos com a energia da Ascensão e com a energia da Ressurreição. São energias muito poderosas, imateriais que vamos precisar muito. O ponto chave para este acesso continuo para esses planos é o desenvolvimento da Humildade. Ela é a base. Humildade quer dizer muitas coisas, e não submissão. Humildade é a consciência de que existe algo maior do que nós. Um nível superior de consciência. Mesmo que a gente tenha orgulho, com humildade, com consciência de que nós nada sabemos daquilo que precisamos saber, pois o que há na nossa mente foi colocado na Terra e isto não serve de nada para o que vai ser necessário. Tudo o que sabemos de técnica, de filosofia, não serve de nada. E a humildade é a chave de tudo porque ela abre as portas para recebermos o que precisamos.



E ele pergunta:

“Vocês estão percebendo as naves que circundam todas as cidades? Os resgatáveis já são conhecidos e já estão a postos para isto. Vocês percebem? Estamos sentindo estas coisas? Percebeis a variação de tamanho destas naves? E os movimentos? Cada nave faz um trabalho diferente em vossas consciências e em vossos corpos. Os que vão ser resgatados fisicamente, já estão tendo um trabalho nos corpos, muito forte, muito preciso. E aqueles que vão ser resgatados só em consciência, e que os corpos vão ficar aqui as naves estão trabalhando de outra forma.” Estamos sendo trabalhados individualmente. Talvez, com esta informação, a gente abra mais o coração. Pede que nos unamos a esta Operação Resgate de modo especial e com o coração. E nos unamos também com estes Irmãos, que só faltam se materializar. Estes Irmãos, Extra-terrestres e Intra-terrenos, se aproximam, fazendo conjunturas que produzem cura interior. Muitas coisas vão acontecer aqui, enquanto estamos aqui e na hora do traslado, ou transmigração. E estes seres podem não só estar formando conjunturas que as nossas almas, nossas mônadas, podem participar desta cura interior, planetária, ou individual. E implantando novo código genético para o que precisamos ser. Menos densos, mais sutis, e nos purificar, pois só assim este trabalho pode se desenvolver. Quem sente isto com o coração, não terá problema, mas quem não sente isto com a mente, precisa ter Fé.



“Pedimos que vivais em amor.” Temos que olhar a nós mesmos e aos outros como alma, como espírito. E não mais como corpo, porque isto não existe mais. Viver em amor é nos olharmos como alma, e olhando a tarefa evolutiva, a evolução e a nossa participação nela como nossa prioridade. A prioridade ao fazermos as coisas por aqui, a prioridade é estar com a visão da alma, com a visão do espírito, da mônada, sempre presente. “Avisar que aqueles que não puderem se entregar a este amor, retrocederão. Os que não se entregarem, com o amor infinito do Pai Criador, começarão tudo de novo, devolvidos a estágios iniciais.” Isto para o Pai Criador é simples, porque faz parte do jogo de forças do Cosmos, do Universo. Para a Criação não tem nada de mais e cabe a nós que já chegamos a um nível evolutivo, a ter discernimento, porque os animais, vegetais e minerais não sabem dessas coisas, passam por esse processo sem ter consciência. Então, esta Criação está nos avisando, que podemos ser devolvidos para estágios inferiores.

“Não vos deixeis enganar pelas forças da escuridão e apoieis vossos irmãos para que não se atirem na escuridão.” Então, temos que estar atentos internamente, estar disponíveis para este convite, para este trabalho. Porque, diante do Cosmos, uma alma só é tão importante quanto todas. “Vos alertamos porque a oportunidade de avançar e não retroceder está aberta para muitos.” Não para todos porque 90% não quer. “Entreis nesta onda disponível, neste momento, sejais mais inteligente e economizeis esforços e tempo, tanto para a si, como para o vosso planeta e para o Cosmos.” Não vamos nos desgastar como energia, como consciência, vamos fazer o que é necessário e mais um pouco, mas sem nos desgastar, porque podemos ser muito úteis, para o planeta e para o próprio Cosmos

“Estou próximo a todos que sinceramente se dispuserem a transformação.” Quando uma hierarquia diz que está próxima, quer dizer até no plano etérico. E do plano etérico pra baixo, não pode ir, por lei. Como estamos a beira de um processo ascendente, esses que estão prosseguindo no caminho, estes estão num processo ascendente. Entoa para estes teríamos que trabalhar para estar conscientes também em outros universos (núcleos de consciência sempre mais elevados, mais sutis). Nos propondo a nos sintonizar com o universo seguinte, que é outro estado de consciência.

Aqui nos deram o exemplo da formiguinha. Qual é o universo dela? Nós não sabemos, porque não estamos dentro dela. Nós não desenvolvemos suficiente o nosso coração para estarmos dentro de uma formiguinha. Nós não sabemos o universo dela, até onde chega o universo dela. O nosso universo é diferente e maior. No nosso universo nós poderíamos compreendê-la, porque temos muito mais recursos, mas não compreendemos.



Um Ser, que é da Hierarquia do Sinai, diz:



A nossa ponte de união com um universo maior, maior do que este nosso, onde estão algumas Hierarquias, seres superiores, que conhecem tudo de nós, porque desenvolveram consciência do outro, então nos inclui. A ponte de união com um universo maior que o nosso é a alma. Não existe ponte material, nem mantra, nem música, não existe nada, que nos coloque no outro universo, a ponte para lá é a alma, é o Eu Superior, é esta essência que existe dentro de nós, no coração. É um universo cheio de revelações, de mistérios divinos, onde se conhece o valor de cada essência, todos os valores da existência de todas as criaturas da Terra. É um universo que está até na nossa respiração. Se nós respirássemos com amor, a nossa respiração estaria nos contatando com este universo. Respiração não é um ato material só, é um ato de contato com o outro universo. Então através do nosso respirar podemos estar contatando este outro universo, vêem como é simples. É só ter a respiração como algo sagrado. É só ter atenção com a respiração, e amor por este processo respiratório. Estar coligado com o ar, que quer dizer espírito e com os Irmãos de Luz.

Um Ser que representa a Polaridade Feminina no planeta diz:



Está havendo um esforço inconcebível por parte de todos que estão no Universo Superior, no sentido de nos atrair para lá. E que a oração é uma chave para nós fazermos este caminho. A oração pode ser uma coisa formal, uma coisa interna, uma intenção. Orar quer dizer você estar buscando um nível superior, desejando se elevar a um nível superior. E você usa muitos instrumentos para orar. Há seres que se prestam a ser objeto de nossa oração. Existem seres que não precisam da nossa oração, mas se dispõe a estar no lugar correto para que a gente tenha uma devoção, para que a gente se inspire neles, para que a gente os acompanhe. O que é a devoção por um ser, é a necessidade de acompanhá-los, então estes seres se prestam a até ter nomes, para que nós posamos identifica-los. Para chamá-los, para estar com eles, se aproximar. E embora seja um princípio nós não chamarmos nenhum desses seres, porque eles têm muito o que fazer, quem não consegue fazer isto por si, deve chamá-los. Deve invocá-los porque eles se prestam a isto, faz parte também do trabalho deles. No outro dia mesmo, um desses seres da Hierarquia de Figueira estava em outro planeta, e de lá estava nos atendendo, porque percebeu que nós necessitávamos de um impulso, de uma energia, que ele poderia dar. De forma que isto existe, é real, precisamos ter Fé e nos colocarmos no nossos melhor nível diante de todas essas coisas. Cada um está num nível e não temos que nos comparar com ninguém, temos que ser reais, positivos, no nível em que estamos. E aí tudo vai subindo, e nós vamos ascendendo. E esta comunicação diz que a oração é básica. Com a oração entramos em Paz, para não ser levados na correnteza. E a oração verdadeira, a oração sincera nos leva à Paz. E ela diz que é isto o que a Humildade dela está tentando nos mostrar.

Perguntas:



1ª/ Uma pessoa realmente preocupada porque ela teve muitas oportunidades de estar mais unida a Sarumah, e ela não valorizou está dádiva. A maior vontade dela era cobrir esta lacuna.



R- Há seres que caminham disciplinadamente desde o princípio, há muito tempo, e outros que descuidaram. E ficaram. Esses agora despertam e se se dão conta do tempo que perderam, podem ter um grande impulso e ainda passar a frente de muitos que estavam caminhando. Porque vão pegar um impulso maior do que o nosso. Então esta pessoa não tem que se preocupar e tem que fazer o que deve. O que está sendo indicado neste momento é o caminho que serve para todos. E ninguém pode dizer que não pode, não sabe. Ninguém está pedindo para contemplar, fazer caridade, ninguém esta pedindo coisas difíceis. Está pedindo a coisa que qualquer um pode fazer: Orar. Então você ore e veja o que acontece.

2ª- Os irmãos de Sirius, a que dimensão pertencem?

R- Sirius não pertence a este universo. É do Universo Mental Cósmico. Para nós é difícil contatá-los, mas para eles é fácil.

domingo, 26 de julho de 2009

A CURA

Na época atual, milhões de pessoas necessitam de cura. Pode-se dizer que raras são as verdadeiramente sadias neste planeta.

A atmosfera física e psíquica da Terra contém muitos elementos anti-evolutivos e está impregnada deles desde tempos remotíssimos. Ao receber as energias construtivas do Sol e do universo, cria-se nela um atrito, pois essas energias têm vibração elevada e são bem mais puras.

A diferença entre os elementos anti-evoluti­vos e essas energias se manifesta co­mo conflitos, que por sua vez se ma­terializam como doenças. Todos os seres que vivem na órbita material terrestre são, portanto, suscetíveis a enfermidades. Mas quando buscamos com­­preender o que é a doença, percebemos que ela é independente de nós.

Embora seja parte do planeta em que vivemos, acomete o nosso corpo físico, o mental e o emocional, mas não o nosso ser interior, que não é de natureza material. Uma das tarefas da humanidade é diminuir a tendência à doença, que impregna tudo o que é material; e a forma de transcender os níveis de consciência em que as enfermidades se manifestam é enfocar níveis mais elevados, não materiais, que são imu­nes a elas.

A humanidade em geral não tem assumido o seu papel na cadeia evolutiva. Em relação ao serviço ao planeta, o reino humano encontra-se aquém dos demais reinos da natureza. Pela beleza das pedras preciosas, percebemos o que o reino mineral tem realizado. Pela perfeição das flores, pela utilidade das plantas e pela doação delas para nutrir os demais reinos, vemos que o reino vegetal alcançou grande desenvolvimento interior.

A humanidade, todavia, tem usufruído, depredado, poluído e bem pouco servido o mundo em que se encontra. Ainda devemos tomar consciência do que viemos fazer na Terra.

Teríamos vindo só para realizar obras materiais ou para nos manter prisioneiros de emoções e pensamentos? Cabe-nos apenas ganhar dinheiro, pro­criar, cons­truir um bom destino individual ou familiar, porém ignorando a situação precária dos se­melhantes? A focalização da mente no nível intuitivo e no espiritual exige reeducação.

Por épocas inteiras fomos habi­tuados a só pensar em doenças, a considerá-las nossas opositoras e a nos prevenir contra elas. Aderimos a uma espécie de propaganda que sustenta as indústrias de medicamentos e os sistemas de cura paliativos. Se contatamos os níveis superiores da consciência, níveis que estão além da mente, facilitamos a harmonização da vontade humana com a vontade espiritual.

Para isso, um dos primeiros passos é perguntarmo-nos internamente: Qual é a vontade superior? Qual é a minha verdadeira vida? As condições da existência material tornam-se cada vez mais desequilibradas, e isso nos impulsiona ainda mais a procurar o verdadeiro caminho, a realização da vontade espiritual. Temos um trabalho evolutivo a fazer, aguarda-nos um amplo serviço ao pró­ximo e ao planeta que habitamos.

Quando a água nos sacia a sede, quando uma planta nos dá oxigênio, beleza, calma, como retribuímos? Quan­do um animal convive conosco e tudo espera de nós, que resposta lhe damos? E que dizer da nossa indiferença aos irmãos da mesma espécie, que ainda vivem em condições sub-humanas sob a nossa vista?

Por onde começar a cura? Não seria por nós mesmos?

Da Série Sínteses de palestras de Trigueirinho A cura Irdin Editora

terça-feira, 21 de julho de 2009

Russos - Mudanças magneticas - inversão eixo Terra - Novo Oceano - Atlantida - Nebiru - 2012







imagem I (Lemúria )
imagem II ( placa africana )
imagem III ( placas tectonicas)
imagem IV (placas tectonicas africanas
)







* Publicado por WALDIR R NASCIMENTO em 8 julho 2009 às 12:21 em Preparativos Ultima chamada


Russos ordenam mudanças nos vôos, após maciças mudanças magnéticas derrubarem aviões...


Relatórios circulantes no Kremlin hoje estão dizendo que comandantes da Força Aérea Russa emitiram avisos para todos os seus aviões para exercerem "extrema cautela" durante os vôos em torno e em cima de "uma área definida como Latitude 17 Norte [Oceano Atlântico Norte] Latitude 3 Sul [OceanoAtlântico Sul] para Latitude 8 Norte [Oceano Índico] Latitude 19 Sul [Oceano Índico] entre as longitudes, 46 Oeste, 33 Oeste, 46 Leste e 33 Leste”, e que cobre a maior parte da placa tectônica Africana.





A razão para este alerta sem precedentes, declaram os relatórios, são a rápida formação de "tempestades geomagnéticas" emanadas das fronteiras da placa tectônica Africana que, devido à sua intensidade, causaram a perda de dois grandes aviões de passageiros durante o mês passado, deixando cerca de 300 homens, mulheres e crianças mortas.



A primeira aeronave a ser abatida por este fenômeno foi o vôo 447 da Air France, e estes relatórios afirmam que após encontrar uma destas tempestades geomagnéticas, em 1 junho, perto da fronteira ocidental da placa tectônica Africana, próximo das ilhas brasileiras de Fernando de Noronha, foi "completamente aniquilado", causando a morte de 216 passageiros e 12 tripulantes, caindo em pedaços no Oceano Atlântico.





A segunda aeronave a ser abatida ocorreu na fronteira oriental da placa tectônica Africana, hoje, quando outra destas tempestades geomagnéticas golpeou do céu um vôo da Yemeni Airways, que ia para a Ilha Nação dos Comores, no Oceano Índico, no qual dos 153 passageiros e tripulantes a bordo, apenas 1 criança “milagrosamente” foi resgatada, até o momento.


(...) têm sido conhecido há mais de um ano com o relato de um "novo oceano" formando_se na Etiópia, e, como se pode ler como relatado por Nature News Service:...
"Embora o nascimento de um oceano seja um fenômeno extremamente raro na grande escala histórica, a geofísica está atualmente experimentando tal eventualidade. Ainda mais impressionante, está ocorrendo em uma das mais inóspitas e áridas regiões da Terra, a Depressão Afar na Etiópia.

O continente Africano está literalmente se descosturando, tal qual a manga de uma camisa velha, ao longo da área conhecida como Fratura do Leste Africano, que o atravessa, começando no extremo sul do Mar Vermelho, passando por Eritréia, Etiópia, Quénia, Tanzânia e Moçambique.

A lava derretida abaixo da superfície da Terra torna -a fina por estar constantemente chocando_se contra ela (...)" Embora cientistas ocidentais afirmem que a formação deste novo oceano não é susceptível de ser concluído por milhões de anos, cientistas russos declaram, inequivocamente, que, devido à atual e inédita atividade solar, a nossa Terra está em risco de ser, literalmente, "rasgada", na pior, ou quase,
"total inversão polar" devido a uma, ainda sem explicação, mas extremamente poderosa, força gravitacional emanada do exterior que chega ao nosso Sistema Solar que alguns pesquisadores declaram ser o misterioso Planeta X, e que muitos acreditam ser uma grande anã marrom e conhecida para os antigos povos da Terra como Nibiru, e chamada pelo nome de Absinto na Bíblia cristã.







Cientistas russos ainda advertem que a “obsessão” Ocidental com o Aquecimento Global, produzido pela humanidade, é um esforço de propaganda deliberadamente concebido para proteger seus povos a partir do fato de que não só a nossa Terra, mas de todos os planetas do nosso Sistema Solar estão em rápido aquecimento, e como revelado, além de qualquer dúvida, pelo Doutor Cientista Habibullo Abdussamatov, chefe da investigação espacial no Observatório Astronômico de St. Petersburg's Pulkovo, na Rússia, quando, em 2007 lançou suas descobertas que pelos 3 anos anteriores as calotas polares de Marte têm derretido numa taxa sem precedentes.


Nota Waldir: apesar dos efeitos do aquecimento do sol sobre a Terra há estudos recentes cientificos descrevendo que haverá sim um desaquecimento (baixa atividade solar). A rigor dos nossos estudos eu achei por bem acrescentar o artigo "Baixa atividade do sol intriga astronomos" em anexo.

E como relatado por um site dissidente Ocidental de informação, entre muitos: "Fotografias da fusão de duas manchas vermelhas sobre Júpiter, evidenciam o aquecimento sobre a maior lua de Netuno, Tritão, o aquecimento em Plutão, que é "inexplicável para os cientistas" e, naturalmente, a tendência de aquecimento já documentada em Marte, todos adicionando convincentes provas de uma maior atividade solar em todo o sistema solar."
Entre as partes mais arrepiadoras destes relatórios sobre a atual instabilidade da placa tectônica Africana, estão aquelas em que os cientistas russos afirmam que se uma poderosa força gravitacional suficiente seja exercida sobre essa região [como a que poderia ocorrer na Terra com a presença de um corpo do tipo do Planeta X], poderá causar o afundamento desta placa com os oceanos Atlântico e Índico cobrindo completamente o que é agora conhecido como o Continente Africano, e ainda provocar um correspondente aumento do que era conhecido pelos antigos povos como os continentes da Atlântida, no meio do Oceano Atlântico, e Lemúria, nos Oceanos Índico e Pacífico.



Interessante notar que os acontecimentos atuais são o que o mais documentado psíquico americano do Século XX, Edgar Cayce, previu: que ambas Atlântida e Lemúria iriam surgir novamente durante o fim da nossa atual era da Terra, e que muitos no mundo atualmente acreditam que será em 2012, como previsto pelo calendário maia.


fontes:
http://mickbernard.blogspot.com/2009/07/russos-ordenam-mudancas-nos...
http://macedoniaonline.eu/content/view/7331/53/
Fotos : pesquisa / acrescentado por Waldir R. Nascimento

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Fascinação: Prazer Cego de uma Paixão




Processo tiranizante dos Espíritos obsessores
O leitor conhece alguém que a admite sem resistência ?
Dr. Iso Jorge Teixeira*










Mulher e morte
Jacob de Gheyn II, séc. 17 (IMAGEM III )

O fascinado não admite estar sendo enganado, pois se compraz pelo fato do seu amor-próprio estar sendo exaltado
(Iso Jorge Teixeira)

Fogo e Controle
KARDEC compara o mecanismo de ação do obsessor a um manto ou um lençol d’água com que se abafa o fogo
(Iso Jorge Teixeira) (IMAGEM II)

Vaidade e morte
Jacob de Gheyn II, séc. 17

Obsessor e obsidiado estão intimamente ligados. Na fascinação há sempre a vaidade e orgulho do médium e uma paixão
(Iso Jorge Teixeira) (IMAGEM I)

©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©

No dia 08 de novembro/2005 escreveu-nos uma leitora, que permanecerá no anonimato sob pseudônimo, a seu pedido explicitado, abaixo, disse ela:

“Caro Dr.Iso

Seus artigos sempre sérios e instrutivos , evidenciando os seus estudos e pesquisas da Doutrina Espírita, nos trazem enormes contribuições no entendimento dos Ensinos dos Espíritos Superiores. Diante disso, julgo oportuno solicitar ao Sr. um artigo sobre Fascinação; pois temos visto uma avalanche de comunicações de Espíritos desencarnados, e percebemos que a falta de análise, observação dessas comunicações tem causado inúmeras distorções do ensinos doutrinários, e visto que médiuns acabam sendo envolvidos em idolatrias, causando toda a espécie de constrangimentos. Espero a sua compreensão dessa parte confidencial.

Agradeço antecipadamente a sua atenção.

Que Deus o inspire sempre .
Jeanne Beck – São Paulo - SP

“Obs.: Dr.Iso se puder trocar o meu nome em seu artigo, eu lhe agradeço, pois no meu convívio social/ familiar, estamos enfrentando um caso de fascinação ( há 17 anos), e as pessoas lêem seus artigos..e meu nome poderia causar algum mal estar principalmente nos que ainda não perceberam que a pessoa esta nesse processo de fascinado.”

Bem, caríssima Sra. leitora JEANNE, a grande dificuldade no processo de fascinação está, exatamente, no fato do fascinado não perceber, ou melhor, não admitir que esteja sendo enganado, como se diz popularmente: ¾ É igual marido enganado, é o último a saber... Fazemos esta analogia porque, a nosso ver, há sempre na fascinação um fenômeno que em psico(pato)logia denominamos paixão. Mas, antes de abordarmos este aspecto vamos estudar doutrinariamente o processo de fascinação...
Da Obsessão

A fascinação é um tipo de obsessão. Vamos, então, definir obsessão e citar os outros tipos...

A obsessão é a ação voluntária, tenaz, que um Espírito inferior exerce sobre uma pessoa com o objetivo de dominá-la e prejudicá-la; em geral, pelo simples prazer de infelicitar a pessoa.
Além de um capítulo inteiro dedicado ao estudo da obsessão, o Capítulo 23 de “O Livro dos Médiuns” (OLM), KARDEC faz referência às obsessões em inúmeras outras obras...

###############################
Obsessão por amor ???
A obsessão é sempre produzida por um Espírito imperfeito, com o objetivo de prejudicar, não há amor na ação...
###############################

Gostaríamos de chamar a atenção aos Srs. leitores e leitoras, a fim de que não paire dúvidas, para o fato de que a obsessão é sempre produzida por um Espírito imperfeito, com o objetivo de prejudicar, não há amor na ação do obsessor; logo, não tem sentido falar-se em “obsessão por amor”, como já ouvimos alguns confrades advogarem-na... Nesta, aplicar-se-ia o blague do adágio: ¾ A estrada para o inferno está calçada de bem-intencionados... KARDEC deixa isso bem claro, especialmente na conceituação contida em suas “Obras Póstumas”, onde ele diz, no item 56:

“A obsessão consiste no domínio que os maus Espíritos assumem sobre certas pessoas, com o objetivo de escravizar e submeter à vontade deles, pelo prazer que experimentam em fazer o mal.” – grifos nossos (op. cit., Edit. FEB, 13 ed., 1973, p. 67).

Embora o Codificador admita “Espíritos obsessores sem maldade”, no item 246 de OLM, tais Espíritos estão sempre dominados pelo “orgulho do falso saber” e, portanto, não são bons Espíritos, são muito IMPERFEITOS... A propósito, disse KARDEC no item 6.º da Revista Espírita – Jornal de estudos psicológicos, outubro/1858, um dos pontos-chaves para o assunto:

“6.º- A obsessão jamais se dá senão por Espíritos inferiores. Os bons Espíritos não produzem nenhum constrangimento: aconselham, combatem a influência dos maus e afastam-se, desde que não sejam ouvidos.” – grifo nosso (op. cit., trad. JÚLIO ABREU FILHO, EDICEL, São Paulo, p. 277).

Portanto, pensamos que o Codificador não poderia ser mais claro nas suas explicações, não obstante, alguns confrades fazem muita confusão neste assunto, seja querendo ver obsessão em tudo, especialmente entre encarnados ou negando-se a sua existência, quando ela é evidente, especialmente na fascinação, que estudaremos mais adiante...

Há os seguintes tipos de obsessão:

1- Obsessão simples; 2- Fascinação; 3- Subjugação, que, em seu paroxismo (isto é, com maior intensidade) chama-se Possessão.

Atendamos, então, a solicitação da Sra. JEANNE e estudemos a FASCINAÇÃO...

Que é Fascinação?

No item 239 de “O Livro dos Médiuns” (OLM) vemos a conceituação de KARDEC, explicando-nos o que é a fascinação:

“(...) É uma ilusão produzida pela ação direta do Espírito sobre o pensamento do médium e que, de certa maneira, lhe paralisa o raciocínio, relativamente às comunicações. O médium fascinado não acredita que o estejam enganando: o Espírito tem a arte de inspirar confiança cega, que o impede de ver o embuste e de compreender o absurdo do que escreve, ainda quando esse absurdo salte aos olhos de toda gente.” –[grifos nossos].

E o Codificador complementa o ensino:

“(...) A ilusão pode mesmo ir até a ponto de o fazer achar sublime a linguagem mais ridícula. Fora erro acreditar que a este gênero de obsessão só estão sujeitas as pessoas simples, ignorantes e baldas de senso. Dela não se acham isentos nem os homens de mais espírito, os mais instruídos e os mais inteligentes sob outros aspectos, o que prova que tal aberração é efeito de uma causa estranha, cuja influência eles sofrem.”

Como podemos demonstrar, através da conceituação de KARDEC, é errônea a idéia de que seria “caridade” deixar um obsidiado participar de reuniões mediúnicas. Ora, se a sua capacidade de comunicação com os Espíritos está comprometida a ponto de paralisar-lhe o raciocínio, a ponto de achar sublime a linguagem mais ridícula, independentemente do seu nível intelectual!... Em alguns outros artigos já defendemos essa tese em relação ao inconveniente de pessoas obsidiadas e doentes mentais participarem de reuniões mediúnicas, por isso, não detalharemnos, aqui, a nossa opinião; só a citamos para mostrar mais um dos argumentos que ratificam a nossa opinião...

Prossigamos com o nosso estudo... Fazendo a distinção entre obsessão simples e fascinação, disse KARDEC em OLM, Capítulo 23, no mesmo item 239 (3 º parágrafo):

“Compreende-se facilmente toda a diferença que existe entre a obsessão simples e a fascinação; compreende-se também que os Espíritos que produzem esses dois efeitos devem diferir de caráter. Na primeira, o Espírito que se agarra à pessoa não passa de um importuno pela sua tenacidade e de quem aquele se impacienta por desembaraçar-se. Na segunda, a coisa é muito diversa.(...)”

O mestre de Lyon, então, passa a mostrar o caráter do Espírito obsessor na fascinação:

“(...) Para chegar a tais fins, preciso é que o Espírito seja destro, ardiloso e profundamente hipócrita, porquanto não pode operar a mudança e fazer-se acolhido, senão por meio da máscara que toma e de um falso aspecto de virtude. Os grandes termos – caridade, humildade, amor de Deus – lhe servem como que de carta de crédito, porém, através de tudo isso, deixa passar sinais de inferioridade, que só o fascinado é incapaz de perceber.” – [grifos nossos].

Na mesma linha de raciocínio, lemos na Revista Espírita, de outubro/1858:

“Os Espíritos grosseiros são menos perigos: reconhecemo-los imediatamente e não inspiram mais que repugnância. Os mais temíveis, em seu mundo, como no nosso são os Espíritos hipócritas: falam sempre com doçura, lisonjeando as inclinações; são meigos, manhosos, pródigos em expressões carinhosas e em protestos de dedicação. É preciso realmente ser forte para resistir a semelhantes seduções.” – grifos nossos – (op. cit., p. 279).

Bem, como destacamos, acima, não temos pretensão de convencer um fascinado com este nosso artigo, não obstante, perguntamos aos Srs. leitores e leitoras se conhecem algum médium, em cujas psicografias aparecem com freqüência as palavras ou expressões parecidas como CARIDADE, HUMILDADE, AMOR DE DEUS... Se conhecem algum cujas manifestações são sempre de Espíritos tentando demonstrar doçura, lisonjeadores, manhosos, etc.; leiam o CONTEÚDO das manifestações mediúnicas dele, se denotam ou não um Espírito inferior; porque, acreditamos, o médium fascinado dificilmente admitirá que está sendo enganado. Aliás, perguntamos aos Srs. leitores: conhecem alguém que admite a própria fascinação sem resistência ?... Tem razão a Sra. leitora JEANNE – há “uma avalanche de comunicações de espíritos desencarnados” atualmente e, diremos nós, através de médiuns fascinados, especialmente nos chamados romances mediúnicos do tipo “água-com-açúcar”, com um pieguismo indisfarçável dos Espíritos comunicantes, tão ao gosto para aqueles em que as fantasias bastam ...

Dificuldade de convencimento
É extremamente difícil convencer um médium de que ele esteja sendo logrado, enganado, e é esta dificuldade que demonstra o grau de controle do pensamento exercido pelo obsessor sobre o obsidiado, pois este julga que o(s) Espírito(s) que se comunicam com ele são “superiores”...

**************************************
TIRANDO A MÁSCARA
KARDEC recomenda que tiremos a máscara dos Espíritos obsessores que agem na fascinação
*****************************************************************

Eis o que KARDEC nos informa a respeito, na “Revista Espírita – jornal de estudos psicológicos”, de outubro/1858:

“Seja por entusiasmo, seja por fascínio dos Espíritos ou seja por amor próprio, em geral o médium psicógrafo é levado a crer que os Espíritos que se comunicam com ele são superiores; e isto tanto mais, quanto mais os Espíritos, vendo sua propensão, não deixam de ornar-se com títulos pomposos, conforme a necessidade e, segundo as circunstâncias, tomam nomes de santos, de sábios, de anjos, da própria Virgem Maria e fazem o seu papel como atores, vestindo ridiculamente a roupagem das pessoas que representam.”

Em seguida, KARDEC recomenda:

“(...) Tirai-lhes a máscara e se tornam o que eram: ridículos. É isto o que se deve saber fazer, tanto com os Espíritos quanto com os homens.” – grifo nosso - (op. cit., trad. JÚLIO ABREU FILHO, EDICEL, São Paulo, p. 279).

Não obstante, em tais palavras de KARDEC, vemos hoje confrades com um beatismo indisfarçável dizerem: ¾ Ora, o que importa é a mensagem!... Contudo, apesar de alguns confrades serem bem inteligentes, não procuram analisar com frieza as mensagens, pois idolatram determinados médiuns... Vejamos num exemplo, do que é capaz um obsessor e onde a credulidade de um homem obsidiado pode chegar, obviamente por orgulho...

No mesmo número da Revue, acima citada, a de outubro/1858, é relatado o caso de um moço com obsessão, com fascinação, leiamos o relato:

“O Sr. F., moço instruído, de esmerada educação, de caráter suave e benevolente, mas um pouco fraco e sem resolução pronunciada, tornou-se médium psicógrafo com muita rapidez. Obsidiado pelo Espírito que dele se apoderou e lhe não dava repouso, escrevia incessantemente. Desde que uma pena ou um lápis lhe caía na mão, tomava-o num movimento convulsivo e enchia páginas e páginas em poucos minutos. Na falta de material, simulava escrever com o dedo, em qualquer parte onde se encontrasse: na rua, nas paredes, nas portas, etc. Entre outras coisas, esta lhe era ditada: “O homem é composto de três coisas: o homem, o mau Espírito e o bom Espírito. Todos vós tendes vosso mau Espírito, que está ligado ao corpo por laços materiais. Para expulsar o mau Espírito é necessário quebrar esses laços, para o que é preciso enfraquecer o corpo. Quando este se acha suficientemente enfraquecido – prossegue o Espírito obsessor, citado por KARDEC – o laço se parte e o mau Espírito vai embora, deixando apenas o bom”.

Prosseguindo em seu relato, muito instrutivo, lemos na Revue:

“(...)

Em conseqüência desta bela teoria fizeram-no jejuar durante cinco dias e velar à noite. Quando estava extenuado, eles lhe disseram: ‘Agora a coisa está feita e o laço partido. Teu mau Espírito se foi: ficamos apenas nós, em quem deves crer sem reservas’. E ele, persuadido de que seu mau Espírito havia fugido, acreditava cegamente em todas as suas palavras.(...)” – (op. cit., p. 279-280)

Aí está um belíssimo exemplo de como agem os obsessores e o porquê dos fascinados negarem-se a ouvir conselhos de pessoas mais experientes, isto é, acreditam SEM RESERVAS em tudo o que dizem os Espíritos, o que está frontalmente em oposição ao diz a Doutrina dos Espíritos em relação aos Espíritos Superiores – estes nunca desejam serem ouvidos sem reservas, pois, então, onde estaria o livre-arbítrio de cada um de nós?!... Além disso, convém ressaltar as palavras de KARDEC na “Revista Espírita – Jornal de estudos psicológicos”, desta vez a de dezembro/1862:

“Resta sempre a questão de saber se o bom Espírito é menos poderoso que o mau. Não é o bom Espírito que é mais fraco: é o médium que não é bastante forte para livrar-se do manto que sobre si foi lançado, para desembaraçar-se dos braços que o apertam, COM O QUE – É BOM DIZER – POR VEZES SE COMPRAZ.” – grifo nosso – (op. cit., trad. JÚLIO ABREU FILHO, p. 362).

Inúmeros confrades falam na obsessão como se SEMPRE o obsidiado SOFRESSE; ora, na fascinação propriamente dita, não há sofrimento do obsidiado – ele tem PRAZER na relação com o Espírito obsessor, o sofrimento só virá depois, se o processo continuar, como no caso, acima, em que a fascinação degenerou para a subjugação. Eis um dos grandes perigos da fascinação ...

Mecanismos de ação conhecidos no fenômeno da FASCINAÇÃO (e dos outros tipos de obsessão)

Embora haja outros autores importantes do ponto de vista do conhecimento do Espiritismo é inegável que a base está em KARDEC, por isso estamos citando-o tantas vezes... Vejamos o que ele nos esclarece em relação aos mecanismos de ação no processo de fascinação, leiamos um trecho da “Revista Espírita – Jornal de estudos psicológicos”, a de dezembro/1862:

“Se um Espírito quiser agir sobre uma pessoa, dela se aproxima, envolve-a com o seu perispírito, como num manto; os fluidos se penetram, os dois pensamentos e as duas vontades se confundem e, então, o Espírito pode servir-se daquele corpo como se fora o seu próprio, faze-lo agir à sua vontade, falar, escrever, desenhar, etc. assim são os médiuns. (...) se for perverso, mau, ele o constrange, até paralisar a vontade e a razão, que abafa com seus fluidos, como se apaga o fogo sob um lençol d’água.(...)” (op. cit., p. 359).

Aí está, KARDEC compara a ação de um obsessor com um manto ou um lençol d’água apagando o fogo, abafando os fluidos do obsidiado. De fato, a comparação é feliz, pois, a nosso ver, a fascinação é um processo que dá PRAZER ao obsidiado, estimulando o “fogo das suas paixões”, ou melhor, é a fascinação uma espécie de PAIXÃO; vejamos esta nossa tese, em seguida...

Definindo PAIXÃO do ponto de vista psico(pato)lógico e espírita

Em Psico(pato)logia, no capítulo da AFETIVIDADE, estudamos um assunto em que há muita confusão, mesmo entre alguns psiquiatras, estamos referindo- nos à Paixão. Vejamos o que nos dizia a respeito o nosso grande mestre da Psiquiatria brasileira, prof. A. L. NOBRE DE MELO em sua PSIQUIATRIA – volume I, MEC / Civ. Brasileira, Rio de Janeiro, p. 522:

“O termo paixão designa, em nosso entender, um estado afetivo absorvente e tiranizante, que polariza a vida psíquica do indivíduo na direção de um objeto único, que passa a monopolizar seus pensamentos e suas ações, com exclusão ou em detrimento de tudo mais.”

Aí está rigorosamente definido o termo “paixão”. Mais adiante ensina-nos o grande mestre NOBRE:

“Será oportuno recordar, a propósito, que, em seu célebre “Tratado das Paixões”, Descartes veio a ampliar demasiado esse conceito, a ponto de nele querer englobar tudo o que não fosse atividade voluntária (percepções, sentimentos, emoções). É verdade que, nem por isso, deixava de reconhecer que também há paixões nobres e úteis, e que, em certas circunstâncias, pode a razão lograr manter seu império, soberano sobre elas. (...)”

Mais adiante, na referida obra (págs. 522-523) diz o mestre NOBRE DE MELO:

“De qualquer modo, e não obstante a opinião de Bousset, que via no amor a fonte e a origem de todas as paixões, o certo é que também para Spinoza, Rousseau, Montaigne e seus epígonos, representam as paixões, apetites cegos e indomáveis, que entravam e perturbam o entendimento, a reflexão, o raciocínio e o julgamento, arrastando o homem à violência, aos desregramentos, fanatismos, sectarismos e despotismos , com todas as suas conseqüências. (...)”.

Não temos dúvida de que as paixões podem ser úteis em alguns casos, mas como elas são essencialmente derivadas da vida instintiva e, portanto, primitivas, animais, dificilmente elas são controladas cognitivamente, daí o grande perigo das fascinações, pois nestas o obsessor, usando da hipocrisia e estimulando o amor-próprio do obsidiado, coloca-o à sua disposição, enganando-o, utilizando exatamente aquilo que dificilmente ele controla – as paixões.

Muito interessante este aspecto da utilidade ou não das paixões, pois a Espiritualidade Superior já mostrava esta distinção em 1857, quando foi publicado pela primeira vez “O Livro dos Espíritos” (OLE). Vejamos o que a Espiritualidade Maior nos trouxe de subsídios a respeito... Leiamos no item II. DAS PAIXÕES. Livro III, Capítulo XII, de OLE, as questões 907 e 908 e suas respostas:

907. O princípio das paixões sendo natural é mau em si mesmo?

¾ Não. A paixão está no excesso provocado pela vontade, pois o princípio foi dado ao homem para o bem e as paixões podem conduzi-lo a grandes coisas. O abuso a que ele se entrega é que causa o mal.

908. Como definir o limite em que as paixões deixam de ser boas ou más?
¾ As paixões são como um cavalo, que é útil quando governado e perigoso quando governa. Reconhecei, pois, que uma paixão se torna perniciosa no momento em que a deixais de governar, e quando resulta num prejuízo qualquer para vós ou para outro.

O Circo. 1878-1888. Henri de TOULOUSE-LAUTREC

COMO UM CAVALO
As paixões são como um cavalo, que é útil quando governado e perigoso quando governa
© © © © © © © © © © © © © © © ©

Comentando essas respostas, disse KARDEC dentre outras coisas:

“Toda paixão que aproxima o homem da natureza animal distancia-o da natureza espiritual.

Todo sentimento que eleva o homem acima da natureza animal anuncia o predomínio do Espírito sobre a matéria e o aproxima da perfeição.”

Se atentarmos bem para a profundidade das respostas às questões 907 e 908 de OLE e pensarmos que os médiuns que serviram à codificação eram, em sua maioria, meninas adolescentes, teremos mais um motivo para a convicção da realidade do mundo espiritual. Complementando, gostaríamos de citar, também a questão 909 e resposta de OLE, pois ela se encaixa como uma luva naqueles que estão num processo de fascinação...

909. O homem poderia sempre vencer as suas más tendências pelos seus próprios esforços?

¾ Sim, e às vezes com pouco esforço; o que lhe falta é a vontade. Ah! Como são poucos os que se esforçam!

EPÍLOGO

Aí está, caríssimo leitor, o fascinado sente prazer no processo obsessivo de que é vítima e pouco ou em nada se esforça para vencer as suas paixões, deletérias para si mesmo ou para outrem, porque, afinal de contas, uma pessoa sob o império da fascinação é de relação social muito difícil, pelo seu orgulho, prepotência e, em muitos casos, causadora da quebra da harmonia familiar... Mas que não se culpe somente o obsessor por tais desarmonias, porque, como diz o povo: ¾ Quando um não quer, dois não brigam! Ou melhor, só há obsessão se houver SINTONIA entre os Espíritos...

Enfim Sra. JEANNE BECK, caríssimas leitoras, estimados leitores, esperamos ter trazido subsídios sobre o assunto que me foi solicitado e que o fascinado controle suas paixões e as sublimem para pensamentos e ações positivas, só assim governará e deixará de ser governado pelo animal que há dentro de si, caso contrário cairá do cavalo, he he he...
Ninguém fica 17 anos fascinado impunemente, a fascinação pode degenerar para a subjugação, não é mesmo Sra. JEANNE?!... Que o seu familiar pare, um pouquinho que seja, para pensar e faça aquele esforço aconselhado pela Espiritualidade Superior em resposta à questão 909 de OLE e que admita que o seu prazer é efêmero e ILUSÓRIO e abra os olhos, cure a própria cegueira... Não custa nada, é bom para si mesmo e para a felicidade geral da família, ou não?... A OPÇÃO é sua.


* Médico. Psiquiatra. Prof. Livre - Docente de Psicopatologia e Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Coordenador do Curso de Especialização em Psiquiatria (FCM - UERJ)

sábado, 11 de julho de 2009

No Presente Momento …





… em que a violência e os conflitos assolam as cidades do mundo inteiro, cabe-nos criar em nosso interior e no ambiente em que estamos um campo propício para as sementes de um novo modo de vida. Os que se empenham sinceramente nisso precisam saber que tudo o que realizarem externa ou internamente deve ter como fim construir a etapa vindoura ou facilitar sua manifestação. Que busquem acertar, sem temer o erro. Quem se resguarda por medo nada pode fazer de válido. Quem se ressente de uma perda revela ter ainda de vencer a própria ambição.

A consciência subsiste além do tempo, da história e da vida material; é livre para alçar vôo à sua Morada. E devemos saber que o novo não está no que esperamos, mas na realidade que do profundo do ser emerge a cada instante se estivermos receptivos, atentos e destemidos.

Se percebermos a infinidade de situações que indicam ser a vida superior a única opção para nós atualmente, se compreendermos que tudo concorre para levar-nos a despertar para estados de consciência inéditos, em que conflitos não existem, veremos concretizada boa parte do Plano Evolutivo traçado para este mundo.

Encontramo-nos diante da perspectiva de viver tempos de glória, mesmo em meio à desordem que tanto se difunde na face da Terra. Uma verdadeira irmandade, formada em níveis de existência superiores, já se dá a conhecer, enquanto relacionamentos meramente humanos deixam de satisfazer as aspirações.

As ondas do mar vão e vêm, mas o oceano permanece.

Extraído do boletim Sinais de Figueira, de Trigueirinho

Irdin Editora

www.irdin.org.br

www.vigiliapermanente.org

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Artigo Jornal O Povo - edicao de domingo




José Trigueirinho Netto

Durante eras, os seres humanos, mesmo que não quisessem ou soubessem,
caminhavam segundo a lei do carma, pois ela guiava, e ainda guia-rá
por uns tempos, a evolução material na Terra. O carma precisava ser
cumprido compulsoriamente, porque era a via de evolução do planeta.

Perguntas como "Que fiz para merecer tal sorte?", "Quando isso
acabará?" eram constantes. Estava implícita uma idéia de
obrigatoriedade e de opressão. Entretanto, algumas não faziam tais
perguntas; o carma estava ali e elas sabiamente procuravam
equilibrá-lo sem criar empecilhos. Caminham, assim, com rapidez para
fora da roda das encarnações.

Na presente época, sobretudo pela adesão a um poder supremo e divino e
pela neutralidade diante dos fatos da vida, um número cada vez maior
de pessoas encontra forças para lidar com os efeitos de suas ações
passadas e tem possibilidades de transcender a lei do carma. Quem
expressa naturalmente a energia de amor encara os deveres como tarefas
a serem realizadas porque são para o bem. Faz tudo com simplicidade,
sem lamentações, comentários ou raciocínios supérfluos - maneira suave
de se distanciar do âmbito da lei do carma.

Outra forma de ir além da lei do carma é a oração sincera, a oferta e
a abertura a níveis de existência mais elevados, a entrega a metas
espirituais. Todavia, é necessário ter claro no que consiste essa
oração libertadora.

A oração em que se pede pelo próprio bem ou pelo de outrem transcorre
em nível humano e inevitavelmente cria carma, embora às vezes
positivo; é a oração desinteressada, feita como pura doação à Fonte de
Vida, que move energias supramentais e atrai leis superiores.

Diz-se que a maneira mais livre e direta de orar é considerar tudo
entregue a Deus. Se essa Consciência Suprema sabe o que faz, se nos
conhece melhor que nós mesmos, se com maior perfeição prevê o
suprimento das nossas necessidades, que sentido teria pedir-lhe
qualquer coisa?

Uma energia divina, que podemos chamar de misericórdia, eleva o ser
humano a níveis inacessíveis nos processos normais da lei do carma.
Essa poderosa e sábia energia flui na oração desinteressada e propicia
cura, harmonia e libertação.

Apesar de no decorrer dos tempos forte carga emotiva ter sido
acrescentada ao termo misericórdia, quando ele é aplicado em sua
acepção mais pura designa essa energia que cura e transforma os níveis
materiais, humanos e psicológicos. Pela misericórdia divina, saldos
cármicos positivos que permaneciam "em arquivo" podem proporcionar
conjunturas mais favoráveis ao desenvolvimento da consciência.

Essa misericórdia é a resposta do mundo interior a uma necessidade do
homem, da humanidade ou do planeta. Quando uma pessoa, por exemplo,
fez tudo o que estava a seu alcance para avançar no caminho da
libertação, mas a limitação dos seus corpos materiais lhe é
intransponível, a misericórdia divina lhe é revelada.

O maior engano de quem se afasta da Lei é julgar seu erro maior que a
misericórdia divina, e assim deixar de dispor-se a recebê-la.

JOSÉ TRIGUEIRINHO NETTO, escritor e membro fundador do Centro
Espiritual Figueira