sábado, 28 de setembro de 2013

MAGIA E PROSPERIDADE - PROF HÉLIO COUTO




Não sei se já postei.
se não agora é a hora.

Se sim posto novamente, importante relembrar.
Bom final de semana SEMPRE para TODOS!

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

domingo, 15 de setembro de 2013

Nilton Schutz - O Poder do Tetragrammaton e Abracadabra

Traição (por Jorge Antonio Oro )



Vamos conversar sobre traição!

Não vamos comentar o trair, com relação a si próprio, a pátria, e outros, que implicam na ciência da verdadeira ética. Vamos nos ater a comentar o “trair” passional, aquele que existe nos relacionamentos afetivos.

Primeiro, temos que lembrar, que qualquer ato físico, foi gerado a partir de um impulso externo (fato, pessoa, etc).
A partir disto, surge o instinto básico, que sobe para o astral, que o reveste das emoções associadas, que o passa para a mente concreta, que o analisa, e que por não ter força de vontade ou argumentos para sublimar o impulso, o devolve para o astral, que reveste-o novamente de expectativas, cria um ambiente fantasioso com o resultado esperado, devolve para o vital, que derrama adrenalina, hormônios e outras substâncias no sistema endócrino, que obstruirão de vez a razoabilidade, gerando então a decisão (na verdade é instinto, não decisão) ato em si.

Assim, quando relatamos uma traição, estamos falando de um ato, que é decorrência de todo um processo que tenha acontecido na pessoa.

Abstraindo-se dos conceitos religiosos, que (por ignorância ou por má intenção) ligam a traição a pecado, colocam-se as seguintes perguntas:

1) Pq trair não é recomendável(usamos o termo recomendável, pois cada um sabe de si mesmo) do ponto de vista evolucional?
2) Pq ser traído é tão doloroso?


Cabe aqui um parêntesis, que é o fato de que boa parte da dita cultura(arte, lazer) ocidental  gira entorno destes eventos (traíções, paixões não correspondidas, desilusões amorosas, mágoas, sofrimentos, etc), trazendo o teto de nossa existência, do mundo Atmico para o mais baixo astral. 

a) Devemos lembrar que cada um tem ao seu lado a pessoa que precisa, para que faça surgir em cada um de nós nossas falhas (tendências), afim de que possamos sublimá-las, tornando-as positivas, e evoluindo.
A recíproca é verdadeira, e nossa função junto a contraparte, é auxiliá-la a evoluir. 
Ninguém é obrigado a manter um relacionamento, mas se o mantiver, deve entender que o outro, também é um ser humano.
A atração(que usa uma máscara de atração física para que o relacionamento se estabeleça), acima de tudo é uma atração karmica;

b) Aquela pessoa que traiu por “acaso”, simplesmente pq “aconteceu”, tem que rever imediatamente seus conceitos de vontade (que é muito diferente de desejo), e analisar em que ponto de seu ser está focado a sua consciência.
Para deixar que uma decisão baseada nos instintos se exteriorizar (e que não consiga ser contida nem pelo emocional, nem pelo mental), significa que seu foco de consciência está abaixo da consciência dos animais, pois os princípios inerentes as criaturas do reino animal, visam a preservação e manutenção da espécie e da vida. Nunca os instintos básico, se sobressaem, por lazer.


c) Aquela pessoa que trai conscientemente, ou seja, tem mais de uma relação com envolvimento afetivo-emocional, prejudica a sua própria evolução, pois tem em seu astral mais denso(ligado ao passionalismo e a sexualidade) vários seres humanos entrelaçados, o que torna a administração destes elementais simplesmente impossíveis, pois eles são antagônicos entre si. Em decorrência, no vital e no astral, cada um vai reclamar o “seu quinhão” de vitalidade e atenção, mantendo a temperatura do astral permanentemente elevada, confusa, caótica e sem um foco, abrindo espaço para a manifestação intempestiva de todo sorte de seres que habitam nas partes mais insondáveis do astral;

d) O homem é formado de Prana masculino (determinante) e feminino (em menor proporção). E a mulher é o contrário.
O Prana individual, é diferenciado do geral, pois ao fundir-se eletricamente em nosso ser, adquire uma identidade específica.
Quando um homem se relaciona com uma mulher, e vice-versa, há uma troca de Prana, que tende a se alojar em locais específicos no corpo e no sistema cérebro-espinhal do companheiro(a).
E aí permanece, inteferindo no dia a dia de cada um dos dois, no plano da criação mental, astral, vital e no sistema endócrino.
É um elemento necessário ao próprio equilíbrio elétrico do processo (lembrem-se que o que chamamos de masculino e feminino é simplesmente polarização de Prana).
Depois de certo tempo de vida, este influxo da necessidade externa do Prana complementar, tende a diminuir.

e) Como o Prana é individualizado, como se fosse a identidade de cada um, OBVIAMENTE, que a convivência de dois ou mais prânas femininos, ao mesmo tempo, no corpo de um homem, tendem a gerar uma confusão elétrica em todos os planos. Dois prânas femininos em um organismo masculino, são antagônicos. E Vice-versa. 

O que a mulher chama de “intuição feminina” com relação a isto (objeto de tantas brincadeiras por parte dos homens), é simplesmente a reação física do organismo feminino, a presença de outra energia no corpo do parceiro (e isto independe de ver, cheirar, ter batom na camisa e outras coisas).

No homem, acontece a mesma coisa, ele perceberá o prana masculino de outro homem em sua companheira. 

Mas como no homem, a percepção não é tão sutil quanto na mulher, isto poderá passar despercebido.
E mesmo que a contraparte não “descubra” que houve uma traição, ou relação com outros, isto se exteriorizará através de uma irritabilidade não explicada, etc, etc e mais algumas dezenas de etecéteras.

f) Muito importante: quando há um relacionamento sexual (afetivo ou não) entre homem e mulher, há ao mesmo tempo uma troca de informações elétricas, fisico-químicas, que fazem com que ocorra um entrelaçamento entre formas básicas (vital e astral) dos dois. 
Assim, em parte do vital-astral do homem, reterá o histórico(astral mais denso) que tenha no corpo daquela mulher com quem esteve, e vice-versa. 
Daí decorre a tradição (oculta) de que o ideal é que tanto o homem quanto a mulher fossem virgens, para gerar novos seres. 
É que neste caso, os filhos seriam filhos somente daqueles dois. 
No caso de múltiplos parceiros, sempre há um resíduo de vital-astral, que permanece, interferindo na gênese. 

Hoje, esta questão está de tal forma vulgarizada, que o sexo virou esporte, diversão, artifício de venda de produtos, e em alguns casos, a relação de um homem com uma mulher, é na verdade a relação de dois históricos (todos com os quais ela já tenha estado, com todas as quais ele já tenha estado), gerando verdadeiras hordas de entrelaçamento no astral, dificultando e tornando densa a vida de todos.

g) As multiplas paixóes que passam pela vida tanto do homem quanto da mulher, as dores não resolvidas e as felicidades não exteriorizadas, são as sementes dos problemas de saúde no útero da mulher, no útero do homem (próstata), mamas (na mulher) e coração(no homem).

h) Ser traído é doloroso quando há uma relação afetivo-emocional intensa, ou uma paixão (pior ainda), ou amor (dificilmente acontecerá traição se existir amor verdadeiro), pq há uma “fusão” física (vital astral) entre quem está apaixonado e o objeto da paixão, entre quem ama e quem é amado, entre quem gosta e quem é “gostado”. 
E neste “estado” de amor ou paixão, tudo acontece no vital-astral, não havendo espaço para a lógica. 
Assim, a mente concreta a tudo assiste impassiva, até que haja uma diminuição nos níveis de convulsão e aquecimento astral, para que a razão possa participar de decisões. 
Esta fusão, é o entrelaçamento com tudo o que “é visto” do ponto de vista de quem está apaixonado: adora desde o dedão do pé da pessoa amada, até a forma como ela sorri, etc, etc. 
Assim, para cada expressão visível ou sensorial gerada pela pessoa amada, vai haver em quem está amando, uma contrapartida também vital-astral, dizendo” eu gosto disto”. 
E os dois seres estão unidos pelo “fogo da paixão”. 
Pois bem, para que vc crie formas defensivas contra alguém ou uma situação, é preciso que vc veja a necessidade de fazer isto. Então, em seu astral, conduzidos pela mente concreta, criam-se formas de “em torno”, para limitar as ações da outra pessoa em sua vida. 
Como na paixão, no amor, no gostar, não se vê defeito algum, nenhuma forma de contenção é criada. 
Quando ocorre a traição, há de imediato um rompimento físico do entrelaçamento entre os dois seres, em maior ou menor proporção. E isto causa sim um impacto vital elétrico de tal intensidade no sistema endócrino e no sistema nervoso, que o cérebro vai traduzir como dor.

i) Uma vez rompida esta fusão vital-astral, abre-se espaço para todas as outras formas que apenas viam de longe: daí vem o arrependimento, a raiva, o “eu sabia que ia acontecer”, a desilusão (lembre-se que para ficar desiludida, é necessário que antes vc estivesse iludida), e ficam mágoas e dores no astral, que talvez nunca sejam sublimadas e se alimentem por anos, no que chamamos de lembranças amargas, desejo de vingança, decepção, etc. 
Do ponto de vista evolucional, é desaconselhável, pois estas formas nortearão o seu processo astral/mental por um bom temo, tornando-a uma criatura amarga, e usando as dores que se alimentarão de vc todos os dias, como um filtro para ver o mundo.

j) As dores resultantes de relacionamentos rompidos, são tão poderosas e tão prejudiciais a evolução, pq estão entrelaçadas com quase tudo no astral, e a tendência vai ser fazer com que toda e qquer atividade emocional/mental, reavive uma lembrança, pelo simples prazer (quer dizer, alimentar o elemental) de sofrer.

k) Obvio que, disto decorre karma, simplesmente pq parte do Karma atual, e do karma futuro, é fruto das ações desta existência (lembram-se dos Vrittis).

É um assunto extenso e vasto, mas como que falamos aqui, há subsídios para que cada um possa navegar em suas memórias, trazendo a tona aqueles escondidos, que teimam em se alimentar de sua vida, já sem nenhuma razão nem direito evolucional.

Por último, há que relembrar que o resultado de uma ação ou de um pensamento são muitíssimo similares!!!


Quanto mais pacífico nosso astral, melhor será a nossa visão, e mais puro os sentimentos que poderemos gerar.

Traidor (traditore) é “ aquele que entrega deslealmente”. No caso da traição objeto desta conversa, quem trai, entrega deslealmente a outro, o caminho vital  e astral para a sua contraparte (que vai herdar uma carga astral de alguém a quem ela(ou ele) sequer conhece). 

Por último, pq se diz que parte o coração??? TIMO!!!

Então, a questão que se coloca para cada um é: ................................................?????????

Fraterno abraço, e que possamos todos ter uma vida simples e tranquila.

Jorge Antonio Oro

Jorge Antônio Oro é um autodidata e membro da Sociedade Brasileira de Eubiose 

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Mãos alquímicas



10 de setembro de 2013 às 16:53

O homem é como a mão: quatro dedos, representando o físico, vital, astral e mente concreta, tendo por oposição (e os tornando úteis) o polegar, (Atmã, Budhi, Manas), a consciência.
O perfeito equilíbrio só vem com a oposição, pois é a oposição que exterioriza o que precisa ser equilibrado.

E das três falanges do polegar, a primeira representa a vontade, a segunda amor-sabedoria(mental) e a terceira, a atividade(que se liga a palma da mão).
Assim, a vontade se assenta no amor-sabedoria, que só tem perfeita mobilidade quando integrada ao físico.

Para se chegar a Magna Opus, a Summa matéria, o Lapis philosoforum, que é a transmutação do Chumbo em Ouro em chumbo, quer dizer, transformar os impulsos mais básicos habitantes do Muladara na compreensão plena, do Sahashara, três elementos são a própria razão do processo: o Sal, representando a Terra, o corpo físico. O Enxofre representando a Lua, a alma, e o Mercúrio representando o Sol, o espírito.

Os alquimistas, por lidarem com metais, e por estarem em busca de metais, eram chamados de mineiros, e principalmente, depois da transmutação do ouro, buscavam o diamante, encerrado no mais profundo e secreto lugar do universo: seu próprio coração!

Acontece que, mesmo depois que o conhecimento tivesse sido transformado em sabedoria, e o caminho da transmutação se tivesse aberto ao mineiro, como em um abre-te sésamo, ainda assim, o diamante permanecia escondido.

A chave para encontrá-lo era (e é) o amor, pois o equilíbrio entre amor e sabedoria(a ciência de JHS) era o que humanizava o divino no humano, fazendo com que se transformasse em pai e mãe dele mesmo, um Dwija(um duas vezes nascido).

Assim, primeiro a paciência, para repetir(e refletir) muito e buscar. 

Segundo o conhecimento do método. 

Terceiro o conhecimento dos elementos. 

Quarto o conhecimento de si mesmo. 

Quinto a transmutação dos elementos. 

Sexto a transmutação de si mesmo. 

Sétimo a compreensão de tudo. 

Oitavo, o Nada, o Tudo, o Oitavo princípio.


Todos temos que ser na alquimia individual, alternadamente, Sal, Enxofre e Mercúrio. 

O Chumbo não se transforma em Ouro, ele encontra-se com o Ouro nos domínios de Mercúrio, o coração.
Do conjunto destes 3 elementos físicos, sai o elemento alquímico, e tudo só é possível, pela ação de Agni, o Fogo Sagrado.

Então, meus caros, paciência, com tudo e com todos, pois o que me impacienta é aquela parte de mim que vejo refletida no outro.

O amor então é aquilo que não tem nome, e que quando experienciado, vai ser sentido ou traduzido, dependendo do local onde se manifeste: 

Amor manifestado no Chumbo: paixão! Dirigido a uma pessoa!
Amor manifestado em Mercúrio: Compreensão! dirigido a todas as pessoas!

Amor manifestado no Ouro: Fraternidade! Dirigida a todos os seres, humanos inclusive!!

Mas o verdadeiro amor, o indescritível, o sem nome, é aquele que se manifesta no diamante, no Oitavo Princípio, e tem um equivalente em nosso idioma: neutralidade.

Fraterno abraços aos caros mineiros!


Jorge Antonio Oro

Você respira medo????

10 de setembro de 2013 às 23:34


Por algum tempo  eu interagi em grupos(no Facebook), onde a tônica era exatamente a diversão da espera da
 morte, e onde a cada instante, uma notícia "alarmista" era publicada, mas sempre com um objetivo (ou ameaça) comum: destruição, cultura do medo, morte e submissão.

O dano às pessoas, a privação de vida, a provação de felicidade, o sentimento de inferioridade que é incutido nas pessoas de forma permanente, é algo inaceitável, e portanto, não podem ficar impunes os autores destes falsos rumores, os tais "pseudo-cientistas" que descobrem a todo instante um alinhamento fatal, um meteoro mortífero, uma explosão solar destruidora, ou os profetas do caos, que esperam frotas estelares salvadoras, seres interplanetários superiores, etc, etc.

O que fazem é, intencionalmente, congestionar o astral da humanidade com ignorâncias, causando um mal tremendo, na medida em que todo medo criado e densificado, "desce" como chuva e por todos é respirado.

Devemos nos recusar a respirar "veneno astral" criado para a diversão de uns e propagado pelo medo/desejo de outros.

Devemos exigir respeito. Quem dera, se a LEI (verdadeira) tivesse um tribunal para "falso testemunho" .

Outro dia li que de 7 a 10% da humanidade acredita no fim do mundo. 

Imaginem o que significa para a alma da Terra, 700 milhões de seres humanos tendo medo todos os dias, medo de cada explosão solar, medo dos alinhamentos cósmicos, medo da interação da terra com seus habitantes. 

Todo este medo, são seres gerados e alimentados, e são seres que um dia precisarão ser sublimados, pois são contra a evolução. E quem vai fazer isto? Obviamente, só pode ser feito pelos próprios seres humanos.

Assim, deveríamos criar um movimento consciente, uma nova Onda Mundial, e gerar felicidade, alegria, consciência, transformando e vitalizando a alma deste ser mineral que habitamos, revitalizando a alma dos seres humanos, deixando de respirar veneno astral, para respirar vida universal.

Medo não é diversão!! Não a propagação do passado!!!

E neste mundo estranho, onde todos os dias, a luz/vida vem de um buraco no céu(que é só o reflexo da própria humanidade), impassíveis assistimos nossa vida sendo conduzida!

Somos cidadãos do Cosmos, viver de acordo é nosso direito, e devemos reclamá-lo, JÁ!

Fraterno abraço

Jorge Antonio Oro

Saúde e Felicidade - I 10 de setembro de 2013 às 15:08

Hermés(Mercúrio)

Comentando sobre saúde:
Hermés(Mercúrio)
a) O Timo segrega a Timosina, timopoietina e timulina, hormônios lançados diretamente no sistema endócrino e que tem função básica de atuar no sistema imunológico, protegendo contra muitos tipos de invasores astrais, inclusive alguns vírus;


b) O Timo em correto funcionamento, segrega seus hormônios, em equilíbrio com a pineal e a pituitária. isto significa que, todo o sistema endócrino estará perfeitamente equilibrado, liberando no organismo todas as inteligências ancestrais  (as quais chamamos hormônios) que regulam nossa existência:


c) A forma de ativar o Timo permanentemente, é estar alegre (vem da raiz latina ala, alae, que significa aquele que tem asas nos pés) e feliz (vem da raiz feo, fem, donde deriva, por exemplo, feminino, feto, fecundo). Isto faz com que, em equilíbrio, sejam segregados no organismo os padrões elétricos que iniciaram a construção orgânica.

d) Mesmo estes padrões elétricos sendo ainda inconscientes (possuem consciência física, mas não evolucional. São vida energia, não vida consciência, e evoluem junto com o ser humano, o Jiva), servem de regeneradores celulares, tendendo a equilibrar o organismo, e a dar a cada célula, a identificação de seu trabalho exato. 

e) A importância disto é que, por exemplo, um tumor qquer é simplesmente um conjunto de células que "esqueceu" suas funções e esqueceu quando é que devem parar de crescer. Por isto diz-se que o câncer é a tristeza das células.
Assim, multiplicam-se sem noção de funções, e projetam-se pelo organismo(caminhando pelo sistema linfático ou circulatório), ligando-se em outras áreas, e retirando também a inteligência elétrica. Este mecanismo é o que é chamado metástase(de méta stase, estar além).

f) Então a felicidade e a alegria, reestabelecem a harmonia elétrica de quando nascemos ( razão de muitos tratamentos serem feitos a base de placenta, pois na mesma está o padrão elétrico do engendramento do feto), gerando um organismo sadio, como e de um bebê;

g) Mas seria então nosso objetivo ter novamente o estado de consciência de um bebê, de uma criança? Não! Devemos ser crianças conscientes, tendo transformado vida energia em vida consciência.

A energia vital primária, a alegria e felicidade inconscientes e puras de uma criança, devem renascer no ser humano adulto, como alegria e felicidade conscientes.

Da mesma forma que a criança direciona todo o seu amor instintivo para a sua mãe carnal, da mesma forma que o adulto em processo de aprendizado direciona todo seu amor astral/passional para uma pessoa que pensa ser ele a fonte inesgotável de felicidade, desta mesma forma, o ser humano consciente, o peregrino, dirige todo seu amor fraternal, superior, não mais para uma pessoa, mas para todos os seres, sentindo-se UM (e fundindo-se) com o Universo.

Neste momento, o padrão elétrico que transborda para o Timo já não é mais o do recém nascido, mas é o Amor Universal, que antecede o próprio nascimento, e assim, está imune a qquer tendência engendrada naquela existência.
Este amor universal, este amor fraterno, sai do peito do ser humano em direção a todos, ao universo, em uma torrente contínua de vida sendo espargida, como se ali, naquele ser, um novo Sol oculto estivesse em ação, mantendo toda a vida (inclusive a do gerador).

Da mesma forma que o sol arde (sem queimar e sem extinguir-se) de dentro para fora, o amor fraterno gerado pelos ser humano, emana de forma inesgotável, de dentro para fora, atingindo a tudo e a todos, em um perpétuo ciclo virtuoso.

Isto é o que está além da compreensão da ciência: a alegria e felicidade curam. o Amor fraterno, o amor Universal consciente regeneram e transformam(a nível atômico, inclusive e principalmente).

A alopatia vai ajudar a curar o físico, onde se manifestam os sintomas. As causas, residem(no sentido literal) no astral.
Doença é um conceito humano, e na verdade o que existe no Cosmos é o "estado perfeito das coisas",  o equilíbrio (que pode ser chamado de saúde). A ausência de equilíbrio é que cria ambiência e espaço, para que inteligências(astrais) desagregadoras se manifestem (a isto chamamos de doença). 

A cura, de qualquer desequilíbrio, é uma reestruturação, um reengendramento, de cima para baixo, das camadas mais elevadas do seu ser, para que desçam até o vital de seu organismo, como uma cálida garoa em aurora de agradáveis manhãs de primavera, trazendo do infinito para todos, o Amor que regenera.

Lembrando que o " de cima para baixo" utilizado para facilitar a assimilação pela mente concreta, na realidade é de dentro para fora, no sentido literal.

Curar significa vigiar. Enfermo (vem de infirmus) e quer dizer não firme, não estável. 

Respiração adequada (Prana)!
Expectativa adequada (lembre que expectativa vem de expectum, que é o que vemos), pois só se tornará realidade aquilo que vc ver antes(ou antever) para vc!
Doses universais de amor universal para todos!

O Mercúrio cura o enxôfre que, por sua vez, cura o sal. E tudo acontece ao Sol.

A cura, a reestruturação orgânica, desta forma, é mera decorrência. 

Esta é a alquimia, onde primeiro o alquimista transforma a si mesmo em ouro. E ouro corresponde ao Sahashara, o Coronal. Sede da Vontade, que junto com o amor-sabedoria, e a atividade, tudo permitem tanto no mundo visível quanto no mundo invisível.


A vontade é ouro, o amor-sabedoria é prata, a atividade é cobre, a razão é mercúrio, a emoção é ferro, a vitalidade é estanho, e o corpo físico é chumbo!


E vejam que interessante: a figura mitológica de Mercúrio (Hermés) tem asas nos pés (Ala, alae)!!!


Do ilusório conduz-me ao real, das trevas à luz, da morte à imortalidade.

Fraterno abraço, boa caminhada. 

Jorge Antonio Oro


segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Ajudando a realizar um sonho compartilhem






Venho aqui contar uma história muito interessante que aconteceu comigo nessa sexta-feira (23/08/13). Estava voltando do meu trabalho, em Niterói-RJ, quando chego no ponto de ônibus encontro este moço, sentado na calçada (num sol escaldante, visto que, hoje foi o dia mais quente do inverno no Rio!) fazendo esses croquis maravilhosos. Passei por ele olhando pros seus desenhos e parei do lado pra esperar meu ônibus. Vi que as pessoas passavam do lado e ficavam tão maravilhadas como eu! Meu ônibus estava demorando e resolvi ir lá de novo. Falei pra ele que os desenhos dele eram lindos e de muita qualidade e sabe o que ele me respondeu? “é um real”, com um sorriso no rosto. Em seguida, travamos um diálogo até meu ônibus chegar.

Eu: - Posso pegar qualquer um que eu quiser por um real?
Ele: - Pode sim!
Peguei o desenho.
Ele: - Desculpa ele estar sujo... é que eu fico no chão... Me dá aqui, vou tentar limpar com a borracha – pausa – Não. Vou deixar assim. Essa sujeira faz parte da minha arte.
Eu: - Muito lindos mesmo! Parabéns! Porque o senhor não assina eles depois que termina?
Ele: - É que eu não sei ler nem escrever...

Perguntei qual era o nome dele. É Carlos. Ensinei ele a fazer a letra “C” e disse que essa era a primeira letra do nome dele, pra ele colocar no final dos desenhos como uma assinatura. E então comecei a perguntar pra ele onde ele teria aprendido a desenhar com tanta perfeição. Ele respondeu que aprendeu na rua, vendo vitrines... As roupas? Ele inventa da própria cabeça! E quase no final da nossa conversa ele disse:

- Sabe qual é meu sonho? Ir no Luciano Huck. Ele é um cara de muito bom coração, eu queria muito que ele me ajudasse, fazendo tipo um desfile de moda da minha coleção. Eu tenho uma coleção inteira desenhada em casa, mas essas eu não trago pra rua. Elas valem muito, sabe? Eu venho pra rua pra vender meus desenhos porque eu preciso, e porque também tenho esperança que alguém me veja e me coloque na internet, me mostre pra ele. Se ele não puder fazer o desfile pra mim, eu queria ao menos os panos pra tentar fazer as roupas!

Luciano, não conheço nenhum quadro que você abra espaço pra fazer algo assim no seu programa. Mas os olhos desse moço tinham tanta esperança que eu resolvi trazer a história dele pra você! O sonho dele hoje não é um carro ou uma casa, mesmo que ele precise disso. Ele quer apenas uma oportunidade pra mostrar o trabalho dele num desfile. Caso não seja possível, ele apenas deseja os tecidos para que ele possa ter um ponto de partida para iniciar essa jornada de trabalho!
Conto com a sua ajuda!
Obrigada!
Deborah.

A imagem é ele desenhando no ponto de ônibus, e o desenho que eu comprei do lado!

domingo, 1 de setembro de 2013

ARQUÉTIPOS DA PAZ E DA JUSTIÇA

LAMED SHIN AYIN ! 
VAV ALEF LAMED

Que reverbere no planeta!
Em todos os rincões existentes aqui, e ali!
Cumpra-se!!!!!!!!!!!